quarta-feira, 16 de julho de 2008

WASHINGTON REIS É CONTRA A OBRA DO ARCO METROPOLITANO.




O prefeito Washington Reis só pode estar contra a obra do arco metropolitano. Ele e um grupo formado principalmente por uma empresa chamada "CIA BRASIL DE DESENVOLVIMENTO", estão comprando várias terras no bairro Amapa, em Duque de Caxias, com a finalidade de receberem por indenizações a serem pagas. Este grupo tem a informação, privilegiada, do traçado da rodovia, e com isso fizeram um projeto para a construção de um prédio de 108 andares, um hotel 5 estrelas, e para disfarçar, um emprrendimento de lançamento de um grande bairro. O gozado é que esta área é rural e não reune as mínimas condições para este tipo de empreendimento. O que eles querem é receberem as indenizações, já que estas obras nunca serão feitas. O lançamento oficial do projeto foi realizado no clube Tigres, que fica na estrada do R'douro, em Xerém ( como pode ser visto no convite acima). Isto é caso, sério, de polícia.
NESTE BLOG TEM MAIS INFORMAÇÕES SOBRE ESTA MALANDRAGEM:

4 comentários:

Anônimo disse...

Trabalho na secretaria de obras de Duque de Caxias. Estou vendo uma grande armação contra o rodoanel- rodovia que cortará o município- aos fatos: A empresa Concremat apresentou um mega projeto para se fazer um prédio de 108 andares no bairro Amapá. Acontece que este prédio está na linha traçada pela passagem da rodovia, gerando com isso uma desapropriação milionária. O bairro está numa área rural, não cabendo, em hipótese nenhuma, um projeto deste porte. A idéia foi lançada com o propósito de lesar os cofres públicos, e tem a conivência da prefeitura. O prefeito está envolvido nesta arapuca, tendo, inclusive, comprado várias terras no traçado da rodovia, sabedor da rota e que indenizações serão pagas. Foi criada uma Ong chamada “NOVA DUQUE DE CAXIAS CIA BRASIL” com o intuito de tocar este projeto. A festa de lançamento do empreendimento já foi feita nesta prefeitura, com várias autoridades presentes. A minha indignação é de ver um grupo articulado, afim de ganhar dinheiro, se valendo do poder para locupletar-se. O projeto encontra-se aqui na secretaria de obras, estando à disposição para análise desta denúncia.

Anônimo disse...

QUEM PASSA NO BAIRRO AMAPA VAI VER QUE VÁRIAS CERCAS NOVAS FORAM COLOCADAS, MOSTRANDO NOVOS PROPRIETARIOS.

Maravilha disse...

Alô WR e cia, deixa um pedaço de terra ai pra mim. Manda o rodoanel passar na minha casa tb.
Quero uma desapropriação milionária tb.

Anônimo disse...

Xerém: neo-coronelismo e voto de cabresto


Tomei conhecimento, pelos jornais, que o Ministério Público Estadual solicitou tropas do Exército e da Marinha para garantir a lisura do processo eleitoral em curso.
Acho louvável a preocupação do coordenador eleitoral do MP, Marcos Ramayana, em acabar com a corrupção e garantir a liberdade de escolha dos eleitores, nas áreas que são sensíveis à compra de votos. Pelo que li já está tudo encaminhado, faltando apenas a aprovação do TSE. Creio que quanto a isso não haverá problemas.
O que me causou muita estranheza, foi a escolha dos locais para tal ocupação. Em Caxias, por exemplo, foram indicados os bairros do Lixão, Gramacho, Pilar e Beira-Mar.
Não é difícil perceber qual foi o critério que definiu essa escolha. No caso aqui de Duque de Caxias, considero essa “escolha” carregada de preconceito e pior do que isso, pouquíssimo inteligente e até certo ponto injustificada. Xerém, no 4º distrito, é sem dúvida o bairro, onde a liberdade de escolha desse ou daquele candidato não é respeitada e onde a corrupção e a compra de votos é assustadora. O povo de Xerém é honesto, trabalhador e ordeiro, porém não podemos afirmar que seja do ponto de vista eleitoral, livre. Pelo contrário, trata-se de um feudo eleitoral, onde a família do atual prefeito goza de privilégios e detém um poder incomensurável, garantidos pelo binômio assistencialismo/intimidação. Aqueles que votam na família ótimo, perfeito, mas e aqueles que não rezam por tal cartilha? Esses em grande parte têm medo de declarar seus candidatos, ou até mesmo gravar, por exemplo, uma entrevista para o programa eleitoral do candidato que deseja voltar à Prefeitura.
Como fica então a Democracia?
Por que razão Xerém não está entre os bairros que necessitam de garantias institucionais, para que a eleição ocorra de fato num clima de liberdade democrática?
Será que os critérios para a escolha dos bairros, Lixão, Gramacho, Pilar e Beira-Mar foram os de sempre, ou seja, preconceito, demagogia barata e politiquismo?
O povo de Caxias quer eleições limpas e isso significa que deseja do TRE e do Ministério Público Estadual, no mínimo, clareza e bom senso nas suas decisões. O problema da corrupção política, da compra de votos e da propaganda ilegal em Xerém, se mostra de forma muito mais clara e mais ostensiva, eu até diria, do que nos outros quatro bairros mencionados anteriormente.
Chega de atitudes pseudo-democráticas. Chega desse reles preconceito de elites que já não são capazes de justificarem a si mesmas, dentro da própria ordem burguesa.
Se há, verdadeiramente, a intenção de garantir a lisura dessas eleições e sobretudo garantir o direito do voto livre e consciente de cada eleitor, o Ministério Público e o TRE, tem que se comprometer no mínimo, em colocar a Polícia Federal para acompanhar todo o processo eleitoral em Xerém.
E digo mais, embora seja uma coisa óbvia para todos, exceto para os “Senhores” do M.P e do TRE, fiscalizem os Centros Sociais espalhados pela cidade. Não existe nada que atente mais contra o direito ao voto livre e consciente em Duque de Caxias, do que o assistencialismo corruptor dessas “organizações.”
A situação em Duque de Caxias é mais grave, inclusive, do que em Magé e no entanto o Ministério Público, pouco tem trabalhado no sentido de investigar as denúncias que têm sido apresentadas contra o atual prefeito. Recentemente, esse senhor pagou 1 milhão de reais de multas estabelecidas pelo TRE, referentes a campanha eleitoral de 2004, não consta que a Senhora Núbia Cozollino, que aliás tem uma folha corrida quilométrica, tenha em toda a sua vida política, devido tal quantia ao Tribunal Regional Eleitoral por crimes eleitorais.
Vamos esquecer que o partido político do prefeito de Duque de Caxias é o mesmo do senhor governador do Estado, que forma a base política aliada, que dá sustentação ao Governo Federal.
O povo de Caxias não é burro, e já sabe em quem vai votar. Se o M.P e o TRE quiserem, honestamente, garantir eleições limpas em Duque de Caxias, sabem agora, se é que não sabiam antes, o que devem fazer e como fazer. Se querem apenas a encenação, a farsa, mantenham a escolha dos palcos: Lixão, Gramacho, Pilar, Beira-Mar, Rocinha, Jacarezinho, Cidade de Deus, Alagados, Trenchtown, Favela da Maré a esperança não vem da Justiça Eleitoral nem das antenas de TV.

Luís Hideraldo T. Lima